Beauty

Fazendo as pazes com a sua juba – Parte I

Por Julia A. Lacerda - 29 de maio de 2018

Olá, muito prazer!

Meu nome é Julia Alves Lacerda e eu estou a há 2 anos e 8 meses sem beber. Não, péra… 2 anos e 8 meses sem ALISAR O CABELO!!! Fiz as contas hoje e me dei conta que esse tempo passou muito rápido, eu não tinha noção de que já tinha esse tempo todo!

Eu e a Juju em Lisboa – Fevereiro de 2018

Mas primeiro preciso me apresentar adequadamente, né? Eu sou a Julia, amiga da Juliana desde os primórdios da humanidade, mas não chegamos a formar uma dupla sertaneja como nosso nome sugeriria… Assim como muitas meninas que nasceram com molinhas e caracóis nos cabelos, bem cedo me percebi odiando o que via no espelho, e com uns 12 anos de idade já recorria aos famosos relaxamentos capilares e depois, com 15, passei a alisar totalmente meus cabelos.

Já tive queimadura na orelha e a franja quebrada por choque químico…

Durante esses 16 anos alisando as madeixas eu já passei por algumas poucas e boas… Já tive uma queimadura química na orelha que me deu uma bolha imensa provocada pelo acúmulo do produto. Num outro episódio um choque químico quebrou o cabelo da minha FRANJA (apenas) na raiz. Fora todas as vezes que fazia o procedimento e couro cabeludo sofria horrores, descamava e tudo o mais (mais alguém passou por isso? Todo mundo? Ok). 

Ainda assim eu sempre considerei o alisamento a solução para todos os meus problemas. Era de cabelo liso que eu me achava bonita, que eu me via mais próxima das referências de beleza que apareciam nas revistas, filmes e passarelas. Cabelo liso pra mim era sinônimo de liberdade de certa forma, uma vez que eu não precisava me preocupar se ele havia enrolado demais ou se estava com muito volume. Muito embora para não estragar a escova que eu fazia na franja para disfarçar a raiz que já havia crescido nas últimas semanas eu jamais, em hipótese alguma, entraria na piscina naquele churrasco da turma, ou no mar quando estava com os amigos. Nem vamos falar da correria e de cenas maravilhosas com sacolas de supermercado na cabeça quando começava a chover. Classe média sofre, eu sei…

 

Foi nesse dia que decidi não alisar mais

Um dia minha irmã que também vivia de alisamento foi muito corajosa e resolveu cortar o cabelo t-o-d-o. E então os cachos mais lindos começaram a aparecer. E eu percebi que não me lembrava de como meu cabelo era. Foi nesse dia que decidi não alisar mais o meu cabelo e desmarquei o horário no salão que eu tinha para dois dias seguintes.

Minha irmã Larissa (as duas, antes da transição)…ah! Essa foto foi no casamento da Ju

Menina…. a natureza é forte e quando eu dei espaço pra ela os cachos voltaram numa rapidez incrível! O que não quer dizer que eu tenha me livrado da temida transição capilar. Vivi ela com todos os dramas que ela me deu direito (e eu como boa canceriana usei todos ao máximo, claro). Pensei em desistir? SIM. Chorei quando não conseguia dar jeito no cabelo? Dia sim e o outro também. Gastei uma fortuna testando TODOS os produtos para texturizar o cabelo? É….SIM!

Atualmente, a juba está assim!

Mas eu sobrevivi à transição, e hoje eu vivo MUITO feliz com meu cabelo cacheado ouvindo elogios por aí! E por isso, a Ju me convidou para dar umas dicas aqui no Blog que funcionaram para mim e podem funcionar para você.

 

Beijinhos e até amanhã com a segunda parte do post. 🙂

 

1 Comment
Deixe um comentário
1 Comentário
  1. Julia
    29.05.2018

    Ainnn, pensa num negócio que eu AMEI escrever!!! Botei muito de mim aí!
    Vou ficar aqui de olho nos comentários para o caso de surgir alguma dúvida, mas sugiro aguardar o próximo post!

    Beijos!!